segunda-feira, 5 de maio de 2008

William Blake, "Cantigas da Inocência e da Experiência"* I

13
O Menino Perdido

«Pai, pai, aonde é que vais?
Oh!, não andes tão depressa.
Diz, diz, pai diz-me onde vais
Ou vou perder-me não tarda.»

Noite escura, o pai sumido,
Gela o menino ao relento.
Chora, atolado na lama,
E a névoa vai com o vento.

*(Tradução Manuel Portela, Antígona)

2 comentários:

Artur disse...

Ficaste inspirado pelas dark satanic mills...

José A. Vaz disse...

por essas talves não, mas já conhecia o Blake do "Primeiro Livro de Urizen". temos de ser um pouco eclécticos para não perdermos os nossos pontos de referência e testar a nossa solidez.